Vinho é vinho! Gosto e pronto. Mas sempre temos nossas preferências… Isso, em tudo na vida!

Para mim nada se compara a um Cabernet Sauvignon chileno, um Pinot ou Chardonnay da Califórnia, um Malbec argentino, um espumante brasileiro!!! Desculpem os concorrentes, mas tem tudo a ver com solo, clima, região. As diferenças são grandes e as preferências também.

Quanto aos países, meus preferidos são os vinhos do norte da Itália, do Chile, dos EUA (Napa Valley) e…. de Portugal, ora pois!

Portugal todo produz vinho. Português faz vinho até no quintal de casa. O país tem 1.100 castas diferentes. Suas exclusivas Touriga Nacional e Alfrocheiro são unanimidades nacional e mundial. Orgulho português! E são boas de verdade. Produzem vinhos memoráveis!

Um mergulho no Porto, um passeio pelo Dão, uma visita ao Douro, uma voltinha pelo Alentejo…. e a festa está feita! Alegria de enólogos, enófilos, enoturistas, curiosos e qualquer ser vivo em nossa galáxia!!

As rotas dos vinhos do Dão são um segredo a descobrir. Sua viagem pode começar exatamente por aí. Os vinhos do Dão lhe dão um abraço… com trocadilhos!!

A história do Alentejo se confunde com seus vinhos… rica, complexa, fascinante. Cada região tem sua história e cada vinho também!

Os ícones de nomes excêntricos e premiados Barca Velha e Pêra-Manca têm em comum preço alto, fama e história. Do Douro e do Alentejo, respectivamente, são dois tintos importantes, porém não são compatíveis. Suas características são distintas. Mas ambos foram fundamentais para suas regiões!

O Barca Velha foi o primeiro grande vinho tranquilo português e continua sendo o mais renomado. Ele é tão importante que a decisão de engarrafá-lo e receber o rótulo só é tomada no último instante, após cerca de oito anos na cave. Tem que estar à altura do nome!

O Pêra-Manca tem só 29 anos. Extremamente jovem. Mas em tão pouco tempo superou muitos outros alentejanos. É sempre produzido com as castas Aragonez e Trincadeira vindas da propriedade Herdade dos Pinheiros, na região de Évora, pertencente à Fundação Eugénio de Almeida. Tradicionalíssimo!

E não posso deixar de lado o delicioso Vinho do Porto. Virei fã incondicional! O Porto 20 anos está em alta. Ao combinarem as marcas do envelhecimento com aromas e sabores que denunciam o vigor dos vinhos jovens, os 20 anos são uma das principais mostras da grandeza dos vinhos do Porto!

A nomenclatura 20 anos não está ligada à idade do vinho,e sim apenas a um estilo. Ou melhor, um conceito! Os Vinhos do Porto com nomenclatura 20 anos devem ter aromas que revelem notas cítricas ou sugestões de frutos secos. Tudo muito meticuloso, complexo e delicioso!

O controle rigoroso deixamos para os institutos portugueses responsáveis, que são vários. Para nós, simples mortais, fica a grata tarefa de degustar, apreciar e escrever sobre… Como eu!!!!

Informação é tudo!!!!!! SALUT

Fonte: Encarte “Vinhos de Portugal” Revista Valor Econômico.